top of page
  • Foto do escritorRedação

Situação de emergência de Mauá é homologada pelos governos estadual e federal


O prefeito Marcelo Oliveira se reuniu em Brasília nesta segunda-feira com Waldez Góes, ministro da Integração e Desenvolvimento Regional.


Aprovação é necessária para a recuperação de áreas afetadas pelas chuvas


A Prefeitura de Mauá obteve na segunda-feira (13/03) a homologação dos governos estadual e federal da situação de emergência decretada pelo município em 22 de fevereiro, por conta do grande acumulado de chuva na cidade. Essa validação é necessária para que seja dada continuidade às ações essenciais para a recuperação de áreas afetadas e prevenção de acidentes.


Apenas no segundo mês deste ano, Mauá registrou 710 mm de chuvas acumuladas, ou seja, duas vezes e meia a mais do que o previsto inicialmente, que era de 284 mm. Para falar sobre a gravidade da situação, pois as chuvas permanecem ocorrendo diariamente e apresentar parte das demandas, o prefeito Marcelo Oliveira se reuniu em Brasília nesta segunda-feira com Waldez Góes, ministro da Integração e Desenvolvimento Regional.


O início dos trabalhos em conjunto deve ser realizado nesta sexta-feira (17/03), quando será feita videoconferência entre a Prefeitura, por meio do Comitê Permanente de Combate e Enfrentamento aos Efeitos Decorrentes das Chuvas, e Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, vinculada ao Governo Federal.


A Prefeitura de Mauá tem trabalhado intensamente em ações para identificar riscos iminentes, num mutirão que envolve as secretarias de Proteção e Defesa Civil, de Assistência Social e de Habitação. Um total de 81 imóveis foram interditados parcial ou totalmente pela Defesa Civil desde o final de fevereiro.


No momento, 125 famílias são atendidas pelo auxílio emergencial financeiro para pessoas impactadas por desastres naturais. O atendimento inicial é por 6 meses, podendo ser prorrogado por  igual período. O benefício, que antes era de R$ 300, passou a ser de R$ 500, após aprovação de decreto do prefeito Marcelo Oliveira.


Para ter acesso, o morador de área considerada de risco deve solicitar a avaliação da Defesa Civil sobre as condições do imóvel. Caso seja interditado, com o termo em mãos, a pessoa deve comparecer ao CRAS mais próximo de sua casa, portando RG e CPF para atendimento e avaliação técnica, conforme previsto no decreto 9.129 de 28 de fevereiro de 2023.


A Prefeitura reforça a orientação para que, em caso de emergência, seja acionada a Defesa Civil (199), Corpo de Bombeiros (193) ou SAMU (192).

Comments


bottom of page