top of page
  • Foto do escritorRedação

Câmara de Mauá Reprova Contas de 2020 do Ex-Prefeito Atila Jacomussi



Pela quarta vez, Atila tem contas rejeitadas, votação foi de 13 a 10 contra o parecer


A Câmara Municipal de Mauá reprovou, por maioria, as contas de 2020 do ex-prefeito e atual deputado estadual Atila Jacomussi (União Brasil). Na sessão desta terça-feira, 13 vereadores votaram contra a aprovação das contas, enquanto 10 foram a favor.


O parecer do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo), que já havia rejeitado a contabilidade da Prefeitura de Mauá referente ao exercício de 2020 sob a gestão de Atila, foi colocado em pauta há três semanas. A votação havia sido adiada após um pedido de vistas de três sessões feito pela vereadora Cida Maia (PT).


O TCE-SP apontou diversas irregularidades nas contas do ex-prefeito, incluindo:


- Déficit orçamentário

- Pagamento insuficiente de precatórios judiciais

- Repasse excessivo à Câmara Municipal

- Superação do limite de despesa com pessoal

- Não aplicação dos mínimos constitucionais em investimentos em educação e saúde


Esta é a quarta vez que Atila Jacomussi tem suas contas rejeitadas pela Câmara de Mauá, o que levanta questionamentos sobre sua gestão à frente do município. Os vereadores que votaram pela rejeição das contas destacaram a gravidade das irregularidades apontadas pelo TCE-SP e a necessidade de maior responsabilidade na administração pública.


A decisão da Câmara representa mais um capítulo na trajetória política de Atila Jacomussi, que apesar das controvérsias, continua a exercer influência como deputado estadual. A reprovação das contas pode ter implicações futuras para sua carreira política, inclusive a possibilidade de inelegibilidade.


O debate sobre as contas de 2020 foi acirrado, refletindo a divisão na Câmara entre aqueles que defendem a administração passada e aqueles que criticam a gestão de Atila. Os próximos passos devem incluir um acompanhamento mais rigoroso das finanças públicas e um compromisso renovado com a transparência e a responsabilidade fiscal em Mauá.

Commentaires


bottom of page